5

Morango e pera combinam? Sim... Vem conferir!

Aqui nesse artigo  mostro como fazer cheesecake de mirtilos com uma massa diferente, bem estilo nova iorquino. Hoje eu trago outra opção de massa, que na minha opinião, fica bem mais gostosa do que a da postagem anterior e que também não deixa de ser de origem americana.

A vantagem dessa sobremesa é que você pode inventar diversas combinações de coberturas. A massa e a base serão sempre iguais, o que muda é o tipo de calda ou cobertura que você irá utilizar e isso modificará todo o sabor, sendo assim muito versátil.

Combinei uma coulis de morangos com uma geleia de peras que fiz e ficou deliciosa! Quem diria que morangos pudessem fazer parceria com as peras ?!

Vamos conferir?

Cheesecake com coulis de morango e geleia de peras

 Ingredientes para a massa

  • 160 gramas de biscoito maisena moído;
  • 80 gramas de manteiga derretida.

 Modo de fazer

Misture o biscoito com a manteiga até formar uma massa homogênea. Disponha a massa no fundo de uma forma de fundo removível. Reserve.

Ingredientes para a o recheio base

  • 690 gramas de cream cheese;
  • 200 ml de creme de leite fresco;
  • 180 gramas de açúcar refinado;
  • 1 colher de café de extrato de baunilha;
  • 3 ovos.

 Modo de fazer

 Bata o cream cheese e o creme de leite fresco na batedeira adicionando o açúcar aos poucos. Acrescente a baunilha e os ovos um a um. Bata até incorporar bem e formar um creme liso.
 Despeje o recheio sobre a forma já com a massa no fundo. Asse a 150 graus por 15 minutos, reduza para 100 graus a asse mais 30 minutos ou até o teste do palito sair limpo.
 Deixe esfriar completamente no forno, logo após leve para geladeira.

 Ingredientes para a coulis de morango

  • 250 gramas de morangos maduros;
  • 50 gramas de açúcar para morangos bem maduros ou 100 g de açúcar para morangos mais azedinhos;
  • 1 colher de sopa de suco de limão.

 Modo de fazer

 Bata os morangos, o açúcar e o suco de limão no liquidificador. A mistura ficará como um purê espesso, se quiser pode coar para retirar as sementes.
 Leve ao fogo baixo por alguns minutos para obter um purê mais espesso, porém deve ficar fluído.
 Deixe gelar.

Ingredientes para a geleia de peras

  • 500 gramas de peras portuguesas descascadas e picadas;
  • 2 xícaras de açúcar;
  • suco de 1 limão;
  • 1/4 xícara de água.

 Modo de fazer 

 Coloque as peras com a água e o suco de limão em uma panela e leve em fogo baixo até desmanchar bem, se precisar adicione um pouco mais de água, não exagere ok?
 Quando as peras estiverem macias e bem desmanchadas retire do fogo, deixe esfriar um pouco e em seguida junte o açúcar. Mexa fora do fogo para dissolver o açúcar, caso contrário, depois de fria a geleia irá açucarar. Volte para o fogo baixo sem mexer, deixe apurar bem até adquirir consistência de geleia caseira.
 Conserve na geladeira.

 Montagem

 Depois que a cheesecake estiver gelada faça a montagem na hora de servir.
 Remova o aro da forma. Espalhe a coulis de morango sobre a cheesecake e por cima disponha a geleia de peras. Você pode cobrir tudo ou deixar para que cada um corte seu pedaço e sirva-se da maneira que preferir com coulis e geleia.


Espero que tenham gostado! Façam e se fizerem, me contem, combinado?
Beijinhos de luz!


2

Permacultura holística

 

Você conhece a permacultura? Sabe o que é?

Vamos juntos desvendar um pouco dessa mistura entre Ciência e Sabedoria Popular, sustentabilidade, ecologia e técnicas Holísticas, tão em alta hoje em dia que como já vimos aqui, existem há mais de 5000 anos.

O termo Permacultura tem origem do inglês Permanent Agriculture e passou a ser compreendida como Cultura Permanente. A expressão foi inventada por dois ecologistas australianos David Holmgren e Bill Mollison, em 1978.

A permacultura abrange conhecimentos de diversas áreas científicas, indo muito além da agricultura. Junta métodos holísitcos, sustentabilidade, formas de cultivo financeiramente viáveis entre tantas outras coisas.

Para Mollison "A permacultura é uma filosofia de trabalhar com, e não contra a natureza; de observação lenta e pensativa em vez de trabalho prolongado e impensado, e de olhar para plantas e animais em todas as suas funções, em vez de tratar qualquer área como um sistema único."

Compreensão da ecologia, leitura da paisagem, do reconhecimento de modelos naturais, do uso de energia e de como manejar os recursos naturais de forma correta com o intuito de planejar e criar ambientes sustentáveis e produtivos em equilíbrio e harmonia com a natureza são alguns dos conceitos de permacultura.

Hoje em dia é considerada uma Ciência Holística e de caráter socioambiental, que reúne o conhecimento científico com o saber tradicional popular e objetiva é claro, a nossa permanência como espécie na Terra.

Permacultura envolve o todo, engloba cada organismo como parte de uma estrutura total sendo que um depende do outro e cada um está ali por uma razão em comum. Somos um mas também fazemos parte do todo e tudo o que pensamos, sentimos ou fazemos afeta esse todo.

O poeta inglês Francis Thompson escreveu: “Por um poder imortal, todas as coisas, perto ou distante, ocultamente estão ligadas entre  si. E tão ligadas estão, que não se pode tocar uma flor sem incomodar as estrelas”. 

Essa frase retrata bem o que o físico John Stewart Bell propôs em 1964 sendo confirmado apenas em 1972 por várias experiências feitas em série. Sua teoria afirma que se uma molécula for dividida de tal forma que os elétrons se separem e depois o spin de um elétron for alterado, os spins dos outros elétrons que originalmente estavam unidos a eles vão corresponder-se imediatamente, não importa a que distância esteja um do outro.

Isso é maravilhoso e ao mesmo tempo assustador, mas pouco compreendido entre as pessoas e na rotina de vida de cada ser humano visto que, cada vez mais encontramos ações pensadas apenas em si mesmos, individualizando os resultados e tendo uma óptica egoísta sobre cada escolha do dia-a-dia.

Para compreendermos a permacultura em sua essência iremos conhecer suas três éticas e doze princípios a fim de que possamos aplicar isso em todas as áreas de nossa vida cotidiana. Sim, isso é possível, você sabia?

Na próxima postagem iremos conhecer estes princípios e compreender a aplicação de cada um deles em pequenas ações da nossa rotina.

Gostou do tema abordado? Deixa nos comentários sua opinião.

Beijinhos de luz!



4

Vivendo holisticamente


Holístico, holismo, holisticamente...
Holos do grego, que significa inteiro / todo, a terapia holística considera o todo não apenas como a junção de suas partes, busca entender os fenômenos por completo, integralmente.
A expressão holismo foi criada por Jan Smuts, primeiro ministro da África do Sul, em seu livro publicado no ano de 1926, Holism and Evolution, onde ele define: "A tendência da Natureza através de evolução criativa, é a de formar qualquer "todo" como sendo maior do que a soma de suas partes."


Terapia Holística são um conjunto de técnicas variadas que tratam o ser em todas as suas dimensões: física, mental, espiritual e emocional.
Dentre as técnicas mais populares utilizadas estão acupuntura, yoga, aromaterapia e cromoterapia além de reiki, terapia floral, fitoterapia, apometria entre outras. As origens dessas técnicas datam de mais de 5000 anos atrás e de diferentes lugares como China e Índia, por exemplo.


O objetivo principal é tratar o ser como um todo.
As terapias holísticas servem para o equilíbrio do campo físico, emocional e energético, podendo ser aplicada em seres humanos, animais e em ambientes e espaços.
Stephan Harding, pesquisador do Departamento de Ecologia Profunda e coordenador do mestrado de Ciências Holísticas do Schumacher College, no Reino Unido, diz que a chave para viver de maneira holística é trabalhar a si mesmo para perceber até que ponto você está ou não sendo controlado por uma visão mecanicista de mundo.
Consumir menos, descobrir sua própria sabedoria ecológica, iniciar uma relação de respeito com os seres vivos, conectar-se com a totalidade e ter consciência de que o Universo e a Natureza estão intimamente ligados formando um todo é, de certa forma, viver holisticamente.


Quando questionado sobre como fazer isso rotineiramente, Stephen Harding diz: "Para mim é fácil, pois eu vivo e trabalho aqui na Schumacher College. Apesar de ter um carro, quase nunca o uso. Eu parei de viajar em grande parte e eu realmente penso muito antes de comprar qualquer coisa. Eu tento reparar, reutilizar e reciclar o máximo possível. Eu tenho relações de amor muito poderosas com todos os organismos ao meu redor, com as árvores, com as aves, com a terra, os fungos, o solo, o ar, as pedras. Eu cultivo uma relação de amor profunda com eles e com as pessoas ao meu redor aqui na comunidade. Mas, mais importante, eu estou continuamente trabalhando em mim mesmo para descobrir minha própria conexão com a sabedoria profunda que está ali mesmo no cerne da matéria, no cerne do universo."


É uma mudança de estilo de vida e como a maioria das mudanças muito difícil de ser vivida, experimentada e conquistada. Não se cobre tanto, faça as coisas no seu tempo, respeitando seus limites e suas crenças, tenha paciência com sua essência se sua tendência for resistir. Vá aos poucos, mudando pequenas ações, repensando sobre consumismo, ações individualistas que atacam o todo sem nos darmos conta, simplicidade e verdade sempre. 


Tente uma conexão com o seu coração, olhe para dentro dele com carinho e faça uma arrumação. Sim, isso não é conversa fiada. Organize seus sentimentos, dê nome à eles, catalogue o que tem dentro de você, se precisar escreva, assim ficará fácil visualizar o que você é, como sente a respeito das pessoas, das situações, dos problemas, das alegrias.
Isso é muito importante, voltar o olhar pra você e trabalhar suas dificuldades, enxergar suas potencialidades, utilizar todas as ferramentas disponíveis para ser melhor.


Aos poucos você terá conquistado todo o desconhecido território do seu coração, conhecendo a fundo sua essência.
Quando tiver feito essa conexão consigo mesmo, reconecte-se com a mãe natureza, traga seu olhar para essa beleza maior que Deus nos oferece.
Mas eu moro em apartamento, moro em uma selva de pedras, moro em uma casa pequena e mal tenho tempo de fazer uma caminhada em um parque...
São desculpas, crenças limitantes, justificativas falsas para a auto sabotagem que praticamos dia após dia.


A conexão com a natureza pode ser feita através do simples olhar para o céu, o admirar da lua, o olhar voltado para a grama em frente o trabalho, o exemplo da resistência de uma árvore em meio do concreto e da poluição, o contato com seu animal de estimação. 
Tudo está interligado, a conexão depende do que e como sentimos. Posso estar no meio de uma floresta sem conexão nenhuma, sentindo medo, vontade de sair e do aconchego de casa ou na calçada embaixo da sombra de uma árvore aguardando o ônibus e agradecendo por mais um dia de trabalho, por estar vivo, pela sombra gerada por aquele ser vivo que devo respeitar. Entendem?


Repensar o modo e estilo de vida e a forma como enxergamos as coisas e os acontecimentos são os primeiros passos para se viver holisticamente.
Aos poucos, todas as mudanças necessárias e possíveis, de acordo com o seu adiantamento moral e espiritual irão ocorrer.
Viver holisticamente é viver com respeito. Respeito a você e ao próximo, respeito aos seres que nos rodeiam. É se enxergar como um ser integral, fisicamente ligado à sua mente, mentalmente conectado com seu espírito e espiritualmente vinculado com suas emoções. 
As práticas holísticas são uma consequência, uma necessidade que acontecem com o passar do tempo. Quase que orgânico, a expansão de consciência, o olhar voltado para a essência de cada coisa te trazem de forma natural às práticas holísticas.


Buscar a prática de yoga, por exemplo, para ter consciência do seu corpo, do seu equilíbrio ou desejar a fitoterapia como forma complementar de tratar velhos anseios, pré disposição a alguma enfermidade, tudo isso acontece de forma natural, após iniciarmos o duro trabalho da reforma íntima.
Não tem outro caminho senão o da reforma interior, da reconstrução de nós mesmos, da ressignificação de alguns sentimentos e acontecimentos. Inevitavelmente os olhos do espírito se abrem quando o fazemos e assim buscamos por novos caminhos, por uma conexão com o Sagrado e nossa essência.


Espero que tenham apreciado.
E você, já vive holisticamente? Tem algum interesse em mudança de formas de pensar e agir? Deixa nos comentários, se tiver alguma dúvida e eu puder te ajudar será um prazer.
Beijinhos e até a próxima.


4

Creme de leite fresco, lata ou de caixinha? Qual o melhor?

Essa é uma pergunta constante e normalmente as pessoas não sabem qual a diferença entre um creme de leite fresco de um creme de leite de caixinha ou lata.

O creme de leite é a gordura separada do leite.

O creme de leite de caixinha é UHT - Ultra High Temperature - método de esterilização de alimentos líquidos que consiste em submetê-los, por um tempo bem curto, a uma temperatura entre 130º e 150º graus e imediatamente resfriá-los a uma temperatura inferior a 32º graus. Ele também é homogeneizado, ou seja, já vem misturado com o soro e possui um percentual menor de gordura, dependendo do fabricante varia entre 17% e 20%. Não é necessário mantê-lo refrigerado antes de abrir. O creme de leite de caixinha não é só a gordura separada do leite, ele é produzido com vários ingredientes além do creme e soro de leite. Na sua composição temos citrato de sódio e celulose microcristalina que são estabilizantes, texturizadores e  emulsificantes e os espessantes como goma xantana e carragena.

O creme de leite de lata tem um teor maior de gordura, em torno de 20% a 25%. Seus ingredientes são apenas o creme de leite e fosfato dissódico como estabilizante. Ele também não precisa de refrigeração antes de ser aberto.

O creme de leite fresco é o que tem maior teor de gordura em torno de 35%, porém, quem trabalha com restaurantes e docerias consegue encontrar creme de leite fresco com um teor entre 42% e 50% de gordura. Sua composição é apenas o creme de leite pasteurizado. Ele não pode ficar sem refrigeração e após aberto precisa ser utilizado em até 5 dias. 

Além destas três versões existem no mercado cremes de leite sem lactose, com baixo teor de gordura, de soja além de versões "gourmet", "bate chantilly" e por aí vai, o céu é o limite.

Mas qual o melhor?

Depende!

O que você vai fazer necessita de muita ou pouca gordura?

Basicamente é isso a que você deve se atentar na hora da escolha do creme de leite para sua receita. Ao contrário do que muuuita gente diz, o creme de leite fresco pode ser aquecido e até mesmo fervido. Ele não vai talhar e se, por acaso, você estiver num dia ruim e talhar... É só bater a receita com o mixer ou passar na peneira e está tudo certo. Sem mimimi!

Em alguns sites procurando por informações dos tipos de cremes de leite e seus usos encontrei um que diz claramente: "Não, não é possível fazer creme de leite fresco em casa, a menos que você tenha uma vaca!"

Ah, sério?

Filomena tá aí pra isso né minha gente! - Filomena é nossa vaca, se você me seguisse no Instagram conheceria ela. Corre lá!

E se você também tem acesso ao leite gordo de uma vaca feliz como a Filó vai conseguir fazer seu próprio creme de leite fresco. E olha, é mais fácil do que fazer banana amassada com mel!


Vamos lá ? ! ?

Creme de leite fresco

 Ingredientes

  • 350 gramas de nata;
  • 100 ml de leite

 Modo de fazer

 Misture tudo no liquidificador ou bata com o mixer. Use assim que bater.


Ah fala sério? É isso? 

Sim!

Se tiver acesso à nata, vale muito a pena fazer. 

Hoje bati o creme de leite para fazer sorvete, mas esse é pra outro post!


Espero que tenham gostado! Beijinhos e até a próxima.


 



 

8

Ideias de organização do espaço de jardinagem

Nem sempre é fácil organizar as coisas em uma casa e para algumas pessoas essa tarefa torna-se impossível ou por falta de tempo, pouco espaço ou falta de organização mental.
Por isso existem tantos "personais" hoje em dia. 
Eu digo que seria uma boa personal organizer. Minhas ideias de arrumação, disposição dos objetos e obsessão por organização faz com que eu tenha a fama de uma pessoa organizada.
Lembro da minha sogra pedindo para eu arrumar o guarda-roupas dela, os brincos, os anéis. Minha mãe pedia para eu organizar a despensa quando morávamos no sítio. 
Aliás minha mãe diz que puxei a minha avó paterna, que ela era caprichosa e organizada. Caprichosa não sei se sou, mas organizada eu tento...



Então, para facilitar a vida  tenho uma bancada para guardar as ferramentas que uso no jardim e os fertilizantes, terras e argila que uso no plantio e cuidados com os vasos, assim fica tudo sempre à mão e organizado quando preciso.


  Uma ideia para quem não tem muito espaço é fazer um pequeno armário com caixotes de feira empilhados uns sobre os outros e fixados na parede, como este que fiz para colocar na cozinha, mas que pode ser adaptado em diversos ambientes.


 Vasos podem servir para guardar as ferramentas.


 Uma ripa de madeira foi furada e colocamos ganchos para pendurar as ferramentas.

  
Claro que não fica assim sempre... Sou uma pessoa normal e pessoas normais também bagunçam suas arrumações. Rsrsrs Principalmente quando estou mexendo, cuidando e paparicando minhas verdinhas, aí vira uma bagunça. 


E você, tem um lugar para guardar as ferramentas de jardinagem? Não vale dizer que não tem espaço, ok? Uma simples caixa ou caixote de madeira já servem de lugar para organizar os utensílios. Vamos deixar de procrastinação, mãos à obra para aproveitar o tempo e organizar a vida e as ferramentas! ⌣𝨾𝨿
Espero que tenham gostado de conhecer um dos meus cantinhos preferidos. Amo mexer na terra, amo as plantas e agradeço por poder cuidar de cada uma delas com carinho e afeto.
Beijinhos de luz!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Encomendas


http://www.flor-de-melissa-atelier.com/p/contato.html


Arquivos

Marcadores

Visualizações