1

O arco-íris sempre vem

A tempestade é necessária. 

Na Natureza encontramos exemplos claros de como passar pelas adversidades, como nos prepararmos para tempos difícies.

Não é difícil perceber quando o vento muda, olhando para o céu já supomos que a chuva virá. 

E não demora para que ela chegue.

Com a chuva forte as plantas crescem, os pastos ficam verdes e os animais têm mais abundância. Não é complicado entender o quanto a chuva é necessária.



Mesmo porque, depois da chuva, sempre vem o arco-íris!


E acreditem, todas essas imagens foram fotografadas no mesmo dia.
Beijinhos e até a próxima!

1

Bolo Inglês

 


Você sabe o que é um bolo inglês?

Pra muita gente é uma receita normal, de um bolo assado em uma forma retangular. Mas não é!

Vem comigo descobrir como fazer esse bolinho gostoso para o café da tarde.

O bolo inglês surgiu durante a Revolução Francesa, que aliás, os grandes feitos da culinária foram nessa época. O "bolo" na verdade era uma papa de aveia ou cevada com frutas secas e alguma oleaginosa e tinha a função de acalmar a fome antes da ceia de Natal. Bem, então esse é um bolo que ao longo dos tempos foi tendo "cara" de Natal, afinal, ele é do Natal! ;)

Com o tempo essa papa foi ganhando mais consistência e aos poucos outros ingredientes foram sendo colocados na receita inicial, ficando um pouco parecido com pão e tempos depois, se transformando em bolo!

Atualmente a receita leva, além de frutas secas e cristalizadas, raspas de limão, cravo e canela em pó, amêndoas e nozes picadas e uma boa dose de brandy ou whisky. Por que a dose de brandy? Quando o bolo inglês ainda era pão, sua preparação era feita com antecedência e ele era guardado em uma caixa virada de ponta cabeça e, toda semana, borrifavam uma dessas bebidas, utilizadas como conservante. Faziam isso até o Natal, quando era consumido.

Legal não é?

O bolo ainda é tradição nas noites natalinas dos ingleses que muitas vezes oferecem o bolo como um presente! Importante ressaltar que esse bolo SEMPRE é assado em formas retangulares, que recebem o nome de forma para bolo inglês, ok?

Vamos a receitinha? Rápida, fácil e uma delícia para o café dessa tarde!

Bolo Inglês

 Ingredientes

  • 150 gramas de manteiga sem sal em temperatura ambiente;
  • 1 xícara de chá de açúcar de confeiteiro;
  • 5 ml de extrato de baunilha ou whisky ou brandy;
  • 3 ovos;
  • 2 xícaras de chá de farinha de trigo peneirada;
  • 1 pitada de sal;
  • 1 colher de café de canela em pó;
  • 1 pitada de cravo em pó;
  • raspas de 1/2 limão siciliano
  • 1 colher de sopa de fermento em pó;
  • 1/3 xícara de chá de nozes e amêndoas picadas, frutas cristalizadas e passas.

Modo de fazer

 Bata a manteiga e o açúcar de confeiteiro por cerca de dois minutos, até formar um creme liso. Adicione os ovos, um a um, batendo sem parar até formar uma mistura fofa, coloque uma pitada de sal.
Adicione na farinha o fermento em pó, a canela em pó e a pitada de cravo em pó, misture bem. Junte essa farinha à mistura fofa e incorpore até ficar homogêneo, sem bater ok? Junte as frutas cristalizadas, as passas e as castanhas picadas na massa, adicione a baunilha ou a bebida que escolher - brandy ou whisky e as raspas de limão.
 Coloque a massa em uma assadeira retangular para bolo inglês, untada com manteiga e enfarinhada. Asse em forno pré aquecido a 180 graus por cerca de 30 a 40 minutos.

Notas sobre a receita

  • Caso não tenha adicionado o brandy ou whisky à massa, você pode fazer uma calda de 1/4 xícara de chá de água, 2 colheres de sopa de açúcar de confeiteiro. Leve ao fogo até formar uma calda rala, retire do fogo e adicione o brandy ou whisky. Jogue por cima do bolo assim que sair do forno.
  • Nesta receita não adicionei as frutas e castanhas porque meus meninos não curtem.
  • Caso queira adicionar as frutas e castanhas, passe-as na farinha de trigo antes de juntar à massa, para não ficarem no fundo da forma.
  • Adicionei à uma parte da massa 1/4 xícara de chá de chocolate em pó 50% peneirado. Despejei na forma a massa branca e em seguida a massa de chocolate, fazendo desenhos com o garfo.
  • Polvilhei uma mistura de cacau em pó 100 % com canela em pó sobre o bolo pronto.

Essa receita tem cheiro e gosto de Natal! Mas vale fazer em qualquer época, pois é fácil e deliciosa. As especiarias com o brandy e as raspas de limão casam perfeitamente! E imagina adicionar as castanhas, hummm... 

E se você está sem ideia de lembrancinha para os seus convidados na ceia de Natal, esse bolo é uma ótima opção. Em lojas de produtos para festa e culinária existem pequenas formas forneáveis de bolo inglês, super práticas. Você faz uma receita, distribui em diversas forminhas e assa! Embala em celofane com um fitilho e pronto!!! Seus convidados irão amar, tenho certeza.

Se fizer, promete vir me contar? Vou ficar esperando hein!


Beijinhos de luz!






2

Vem se inspirar com a noite da pizza!


Quando falamos em pizza o que vem à nossa mente são toalhas quadriculadas, um bom vinho regado a conversas e risadas, tudo bem italiano. 

Mas a pizza tem origem em terras egípcias, sim, é sério! Há cerca de seis mil anos, os egípcios produziam uma massa fina em forma de disco, onde a base era uma mistura de farinha e água, parecido com a massa de pão árabe, conhecida como "pão de Abrahão" ou "piscea".

O tempo foi passando e com ele a receita também foi caminhando lentamente para outras culturas que iam agregando outros ingredientes à massa, até chegar nas mãos dos nossos "amici" italianos, que se apropriaram da receita de tal forma, que hoje em dia, quando se fala em pizza, a única cultura que nos vêm à mente é a italiana!

E como uma boa "trattoria", a receita de pizza daqui de casa existe há décadas!!! Aprendi com a minha mãe que pegou a receita com uma vizinha quando ainda morávamos na cidade. E acreditem se quiserem, mas eu me lembro exatamente o dia em que minha mãe pegou essa receita com a Conceição, filha da vó Maria, uma vizinha fofa da minha mãe que tinha fogão a lenha em casa, costurava tapetes de retalhos e acolhia a gente em seu lar de uma maneira querida, que nunca vou esquecer. Ah, e tinha pé de figo no quintal! Memórias de uma infância doce e cheia de saudades.


Mas chega de conversa... Vamos a receita! Tenho certeza que você vai amar e se inspirar para juntar a família e todo mundo colocar a mão na massa, literalmente! Corre que dá tempo de fazer para o jantar!!!

Pizza caseira

 Ingredientes

  • 1 copo americano de leite;
  • 1 colher de fermento químico;
  • 1 xícara de chá de óleo;
  • 1 pitada de sal;
  • 1 colher de manteiga em temperatura ambiente;
  • 2 ovos;
  • Farinha até dar o ponto de abrir a massa.

 Modo de fazer

 Coloque mais ou menos duas xícaras de chá de farinha de trigo em uma vasilha e misture o fermento, adicione o leite, a manteiga e os ovos. Vá misturando, adicione a pitada de sal e o óleo, continue adicionando farinha aos poucos. Coloca farinha, mistura um pouco e adiciona mais, até chegar no ponto de abrir a massa.
 Deixa descansar meia hora enrolada em plástico filme. 
 Abra a massa em formato de discos, leve para pré assar por dez minutos em forno pré aquecido a 180 graus. Recheie como quiser, asse por mais dez minutos a 210 graus.

*O tempo para assar irá depender do tipo e potência do seu forno.


E então, o que achou? Apetitosa não é mesmo?
E você, também tem uma receita tradicional de pizza ou é daqueles que só corre o dedo no telefone para pedir na pizzaria mais próxima?
Anime-se e coloque um pouco a mão na massa, faz bem para a mente e para a interação familiar, além de ser uma ótima desculpa para abrir aquele vinho especial reservado na adega só aguardando um momento único para ser degustado.
Se fizer, me conta! Deixa aqui nos comentários o que achou dessa receita e suas experiências com a famosa pizza italiana!!!
Beijinhos e até a próxima!


*Como harmonizar pizza e vinho*

  • Calabresa ou pepperoni - Cabernet Sauvignon
  • Champignon - Pinot Noir
  • Margherita - Corte Português
  • Presunto cru com figos - Tannat
  • Quatro queijos - Chardonnay
  • Portuguesa - Merlot
  • Frango com Catupiry - Espumante Brut
  • Rúcula com tomate seco - Sauvignon Blanc

 

2

Ética e princípios da Permacultura

Na postagem anterior conhecemos um pouco sobre permacultura e ficamos sabendo que sua composição é feita de 3 éticas e 12 princípios que podemos aplicar não somente na agricultura mas em vários aspectos de nossa vida.

Aqui nesse vídeo falo um pouco sobre minha experiência e contato com a permacultura.


Éticas da Permacultura

1. Cuidar da terra

2. Cuidar das pessoas

3. Cuidar do futuro

Princípios da Permacultura

1.Observe e interaja

"Ao tomar um tempo para se envolver com a natureza, podemos projetar soluções que se adequem à nossa situação particular." David Holmgren

Buscar respostas através da observação muitas vezes encontradas em modelos interdependentes na natureza. Observar o sistema como um todo.

Isso vale para o nosso cotidiano, quando observamos aprendemos muito mais do que quando falamos. Observar a periodicidade da natureza, seus ciclos e como eles funcionam nos ajuda a compreensão de que tudo na nossa vida também é cíclico e que tudo passa.

2. Capte e armazene energia

"Desenvolvendo sistemas que coletam recursos quando eles são abundantes, podemos usá-los em momentos de necessidade." David Holmgren


É necessário entender como a natureza capta e armazena energia para reproduzir os recursos naturais energéticos nas paisagens, no ambiente doméstico, na cultura.

Quando nos atentamos para os modelos naturais de armazenamento de energia, podemos direcioná-los para o nosso dia-a-dia, reduzindo o consumo e repensando a forma de consumir, adquirindo produtos que durem mais tempo e aproveitando as estações de cada alimento.

Por exemplo, quando estamos na safra de milho temos acesso ao alimento com um preço menor, podemos comprar em maior quantidade e armazenar para termos o alimento durante todo ano.

No cultivo dos alimentos o padrão é o mesmo, há épocas de plantio de cada coisa abóbora, milho, mandioca, feijão e há formas de armazenamento para termos acesso a tudo, mesmo não estando na safra daquele alimento.

Adquirir produtos industrializados de qualidade também é uma forma consciente de consumo. Quando compro um sapato de qualidade inferior a tendência é tê-lo por menos tempo que um outro de qualidade melhor. Pago mais, porém, tenho um produto por mais tempo e consequentemente estarei poupando dinheiro. Isso é chamado hoje em dia de minimalismo, você tem menos peças e mais qualidade.

3. Obtenha rendimento

"Em nosso cotidiano pensar nas necessidades de alimentação, abrigo, água desenhando sistemas e organizando nossas vidas de modo a obtermos rendimento através de meios que otimizem a potência de trabalho útil de tudo o que fazemos.Certifique-se que você está recebendo recompensas realmente úteis como parte do trabalho que está fazendo." David Holmgren

Buscar por energia sustentável é uma maneira de obter rendimento por meio do consumo consciente. 

No que diz respeito ao cultivo pode-se pensar na produção de alimentos que possam servir de base da dieta da população local como batata, milho, feijão, mandioca.

Cultivar de espécies rústicas que trazem rendimento e não necessitam de muito cuidado como forrageiras para alimentação de animais ou como compostagem, plantas alimentícias espontâneas, espécies medicinais e madeireiras.

Aumentar a fertilidade do solo com o uso de adubos orgânicos caseiros utilizando cascas de frutas e vegetais, cascas de ovos trituradas, borra de café.

Com o excedente da produção pode-se pensar em comercialização ou troca. Por exemplo, árvores frutíferas produzirão em abundância em determinada época do ano, as sobras servirão para a produção de conservas, geleias e polpas que podem ser vendidas ou trocadas por outros produtos podendo ainda servir como chás, frutas secas e sucos.

4. Pratique a autorregulação e aceite conselhos (feedback)

"Precisamos desencorajar as atividades impróprias para assegurar que os sistemas possam continuar a funcionar bem." David Homlgren

O objetivo do planejamento do sistema de permacultura pode não ser alcançado por inteiro sendo necessário, por muitas vezes, interferências ou manutenção.

Não há nada de errado na intervenção e manutenção de culturas voltadas a agricultura permanente, sendo de muita sabedoria ouvir conselhos, pesquisar com os mais velhos e interagir em outras culturas para o aprendizado sistêmico.

E assim é em todas as áreas de nossa vida. Quantas vezes planejamos e não conseguimos o resultado esperado através daquele planejamento? É necessário voltar, repensar, ouvir pessoas mais experientes e tentar de novo.

5. Use e valorize os serviços e recursos renováveis

"Faça o melhor uso da abundância da natureza para reduzir o nosso comportamento de consumo e dependência de recursos não renováveis." David Holmgren

Devemos fazer o melhor uso de fontes naturais renováveis para o manejo e manutenção das produções, termos a natureza como aliada e pensar no uso apropriado diário relativamente efêmero do sol, das marés, da água e do vento, pois são energias diárias ou sazonalmente renováveis.

Em projetos paisagísticos, com o olhar voltado aos princípios da permacultura, pode-se utilizar diversas árvores, como por exemplo, árvores caducifólias podem ser plantadas para fazerem sombra em prédios, casas ou parques no verão e liberarem a passagem do sol no inverno.

6. Não produza desperdícios

"Se valorizarmos e fazermos uso de todos os recursos que estão disponíveis para nós, nada vai para o lixo." David Holmgren


Simples e objetivo.

Diminuição de desperdício em 5 atitudes:

* Recusar

* Reduzir

* Reaproveitar

* Reparar

* Reciclar

Os 5 "erres" (rs) são famosos e conhecidos mas pouco aplicados em nossa vida cotidiana. Se pensarmos no quanto de dinheiro gastamos com coisas que não precisamos, que não queríamos e que não nos servirá de nada ficaríamos estáticos e surpresos. Seria como pegar uma nota de cinco, dez, ou cem reais e literalmente rasgar e jogar no lixo se compararmos à quantidade de bugigangas adquiridas em lojas de "utilidades" que de nada são úteis.

Compramos por impulso, por moda, por tendência, por influência. Sempre que adquirimos um produto com essas características deixamos de economizar, deixamos de raciocinar com lógica sobre a necessidade daquilo que estamos comprando e na maioria das vezes nos arrependemos depois.

Vale pensar nisso a próxima vez que entrar em uma das novecentas lojas de inutilidades da sua cidade.

7. Projete partindo de padrões para chegar aos detalhes

"Dando um passo para trás, podemos observar padrões na natureza e na sociedade. Esses podem formar a espinha dorsal de nossos projetos, incluindo os detalhes à medida que avançamos." David Holmgren

No momento de pensar no terreno do cultivo ou da construção de uma casa, de um jardim devemos, antes de mais nada, observar o que podemos usar a nosso favor que já exista ali. Inclinação do terreno, sol, vento, umidade, água, fogo.

8. Integrar ao invés de segregar

"Colocando as coisas certas no lugar certo, as relações se desenvolvem entre eles e apoiam umas às outras." David Holmgren


Devemos procurar  harmonia com a natureza e para isso podemos fazer uso de relações simbióticas e cooperativas ao invés de relações competitivas.

Criar galinhas em um ambiente agroflorestal é um bom exemplo de cooperativismo. As galinhas têm alimentos e em contra partida produzem adubo para o solo.

Utilizar espaços entre culturas permanentes para o plantio de alimentos que servirão de base ou cilo para os animais, como feijão e milho entre os carreadores de uma roça de café, laranja ou abacate, por exemplo.

9. Use soluções pequenas e lentas

"Sistemas pequenos e lentos são mais fáceis de manter do que os grandes, fazendo uma melhor utilização dos recursos locais que produzem resultados mais sustentáveis." David Holmgren

Busque por soluções que trazem resultados lentos, mas que podem ser mais eficazes do que a procura por resultados rápidos e imediatos e trazem benefícios a longo prazo.

10. Use e valorize a diversidade

"Diversidade reduz a vulnerabilidade de uma variedade de ameaças e tira vantagem da natureza única do meio ambiente no qual ele reside."  David Holmgren

Não é de hoje que se sabe que a monocultura traz prejuízos a terra. Praticar a policultura é uma forma inteligente de utilização de espaços, tempo e auxílio à terra.

É preciso aprender com a natureza através da relação entre as diversas espécies, enxergando o papel de cada uma naquele local e fazendo uso disto em sua cultura.

11. Use os limites e valorize o marginal

"A interface entre as coisas é o local onde os eventos mais interessantes acontecem. Estes são muitas vezes os elementos mais valiosos, diversos e produtivos no sistema." David Holmgren

Um desenho que percebe o limite como uma oportunidade e não como um problema têm mais chances de sucesso e adaptação.

Por exemplo, aumentando-se a borda entre o terreno e a margem de uma represa pode-se aumentar a produtividade de ambos.

12. Seja criativo e responda às mudanças

"Podemos ter um impacto positivo na mudança inevitável ao observar cuidadosamente, e depois intervir no momento certo." David Holmgren

É necessário que o planejamento da permacultura seja reavaliado constantemente de acordo com os resultados obtidos.

Alguns fatores fora de previsão podem influenciar em resultados não esperados. E tudo bem. Por isso a criatividade se faz necessária para conseguir superar mudanças inesperadas.

Isso se aplica em todos os aspectos de nossa vida e eu diria que, muitas vezes, além de sermos criativos precisamos ligar "nossas antenas" para a intuição e mudarmos o caminho, as metas e todo o desenho que não nos levou aos resultados esperados.

E você, já utilizou um destes princípios em algum aspecto de sua vida? Deixe sua experiência nos comentários e o que você achou dessa postagem.

Beijinhos de luz e até a próxima!






  




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Encomendas


http://www.flor-de-melissa-atelier.com/p/contato.html


Arquivos

Marcadores

Visualizações